Atenção, abrir em uma nova janela. ImprimirE-mail

Convenção Nº 168 - Promoção do Emprego e Proteção Contra o Desemprego - 1988

Aprovada na 75ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra – 1988), entrou em vigor no plano internacional em 17.10.91. Dados referentes ao Brasil:  a - aprovação = Decreto Legislativo n. 89, de 10.12.92, do Congresso Nacional; b - ratificação = 24 de março de 1993; c - vigência nacional = 24 de março de 1994; d - promulgação = Decreto n. 2.682, de 22.7.98.


"A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho;

Convocada em Genebra pelo Conselho Administrativo da Repartição Internacional do Trabalho, e tendo ali se reunido a 1o de junho de 1988 na sua septuagésima quinta reunião.

Sublinhando a importância do trabalho e do emprego produtivo em toda a sociedade, em razão não só dos recursos que criam para a comunidade, mas também da renda que proporcionam aos trabalhadores, do papel social que lhes outorgam e do sentimento de satisfação pessoal que lhes infundem.

Observando as normas internacionais existentes na área do emprego e da proteção contra o desemprego (Convenção e Recomendação sobre o Desemprego, 1934; Recomendação sobre o Desemprego (menores), 1935; Recomendação sobre a Segurança dos Meios de Vida, 1944; Convenção sobre a Seguridade Social (norma mínima), 1952; Convenção e Recomendação sobre o Desenvolvimento de Recursos Humanos, 1975; Convenção e Recomendação sobre a Administração do Trabalho, 1978; e Recomendação sobre a Política do Emprego (disposições complementares), 1984.

Considerando a amplitude do desemprego e o desemprego, que afetam diversos países do mundo em todos os níveis de desenvolvimento, e, particularmente, os problemas dos jovens, grande parte dos quais procura um primeiro emprego.

Considerando que, desde a adoção dos instrumentos internacionais relativos à proteção contra o desemprego, acima citados, produziram-se, na legislação e na prática de numerosos membros, importantes mudanças que tornam necessária a revisão das normas existentes, particularmente a convenção sobre o desemprego, 1934, e a adoção de novas normas internacionais sobre a promoção do pleno emprego, produtivo e livremente escolhido, por todos os meios apropriados, inclusive a seguridade social.

Observando que as disposições relativas aos benefícios por desemprego da Convenção sobre a seguridade social (norma mínima), 1952, fixam nível de proteção superado atualmente pela maior parte dos regimes de indenização existentes nos países industrializados e que ainda não foram complementados por normas mais elevadas, diferentemente das relativas a outros benefícios, mas que os princípios em que está baseado esta Convenção continuam válidos e que suas normas ainda podem construir um objetivo que deve ser atingido por certos países em desenvolvimento em condições de instruir um regime de indenização de desemprego.

Reconhecendo que as políticas que fomentam o crescimento estável sustentado e não inflacionário, uma resposta flexível à mudança e à criação e promoção de todas as formas de emprego produtivo e livremente escolhido, incluindo as pequenas empresas, as cooperativas, o trabalho autônomo e as iniciativas locais em prol do emprego – inclusive mediante a redistribuição dos recursos atualmente consagrados ao financiamento de atividades puramente assistenciais, em benefício de atividades suscetíveis de promoverem o emprego, principalmente a orientação, a formação e a readaptação profissionais – oferecem a melhor proteção contra os efeitos nefastos do desemprego involuntário, que, não obstante, o desemprego involuntário existe, sendo portanto importante que os sistemas de seguridade social proporcionem uma ajuda ao emprego e um apoio econômica às pessoas desempregadas por razões involuntárias.

Após ter decidido adotar diversas propostas relativas ao fomento do emprego e à seguridade social, questão que constitui o quinto item da agenda da sessão, visando em particular, a revisão da Convenção Sobre o Desemprego, 1934.

Após ter decidido que essas propostas deveriam tornar a forma de uma convenção internacional, adota, neste vigésimo primeiro dia de junho de mil novecentos e oitenta e oito, a seguinte Convenção que será denominada ‘Convenção Relativa à Promoção do Emprego e à Proteção Contra o Desemprego, 1988’.


I – DISPOSIÇÕES GERAIS:


Artigo1º 

Para os fins da presente Convenção:

a)  O termo ‘legislação’ abrange as leis e regulamentos, bem como as disposições estatutárias em matéria de seguridade social.

b)  O termo ‘prescrito’ significa determinado pela legislação nacional ou em virtude dela.

 


Artigo2º

 Todo membro deverá adotar medidas apropriadas para coordenar o seu regime de proteção contra o desemprego e a sua política de emprego. Para esse fim, deverá providenciar que o seu sistema de proteção contra o desemprego e, em particular, as modalidades de indenização do desemprego, contribuam para a promoção do pleno emprego produtivo, livremente escolhido, e que não tenham como resultado dissuadir os empregadores de oferecerem emprego produtivo, nem os trabalhadores de procurá-lo.

 


Artigo3º  

As disposições da presente Convenção serão aplicadas em consulta e colaboração com as organizações patronais e de trabalhadores, em conformidade com a prática nacional.

 


Artigo4º  

§1. Todo membro que ratificar a presente Convenção poderá, mediante uma notificação que acompanhe a sua ratificação, excluir das obrigações resultantes desta ratificação as disposições da "Parte VII".

§2. Todo membro que tiver formulado uma declaração dessa índole poderá anulá-la em qualquer momento mediante uma declaração posterior.

 


Artigo5º

§1.Todo membro poder-se-á amparar no máximo, mediante declaração explicativa anexa à sua ratificação, em duas das exceções temporárias previstas no "§ 4 do Artigo 10, no § 3 do Artigo 11, no  §2 do Artigo 15, no § 2 do Artigo 18, no § 4 do Artigo 19, no § 2 do Artigo 23, no § 2 do Artigo 24 e no § 2 do Artigo 25". Essa declaração deverá enunciar as razões que justifiquem essas exceções.

§2. Não obstante as disposições do" §1", um Membro cujo sistema de seguridade social, em razão do seu alcance limitado, assim justificar, poder-se-á amparar, mediante uma declaração que acompanhe a sua ratificação, nas exceções temporárias previstas no "§ 4 do Artigo 10, no  §3 do Artigo 11, no § 2 do Artigo 15, no §2 do Artigo 18, no § 4 do Artigo 19, no  §2 do Artigo 23, no  §2 do Artigo 24 e no § 2 do Artigo 25". Essa declaração deverá enunciar as razões que justifiquem essas exceções.

§3.Todo membro que tiver formulado uma declaração em aplicação do "§ 2", nos relatórios sobre a aplicação dessa Convenção que terá que apresentar em virtude do "Artigo 22" da Constituição Internacional do Trabalho, deverá indicar, com relação a cada uma das exceções que tiver amparado:

a) Que subsistem as razões pela qual se amparou nessa exceção.

b) Que renuncia, a partir de uma data determinada, a se amparar na exceção mencionada.

§4. Todo membro que tiver formulado uma declaração dessa índole, em aplicação do " §1 e do § 2" deverá, de acordo com o objeto de sua declaração e quando as circunstâncias permitirem:

a) Cobrir a contingência de desemprego parcial.

b)  Aumentar o número de pessoas protegidas.

c) Incrementar o valor das indenizações.

d) Reduzir a duração do prazo de espera.

e) Ampliar a duração do pagamento das indenizações.

f) Adaptar os regimes atuais de seguridade social às condições da atividade profissional dos trabalhadores em tempo parcial.

g) Se esforçar para garantir assistência médica aos beneficiários das indenizações de desemprego e as seus dependentes.

h) Tentar garantir que sejam levados em conta os períodos durante os quais são pagas essas indenizações para a aquisição do direito aos benefícios da seguridade social e, conforme o caso, para o cálculo dos benefícios da invalidez, de idade avançada e de sobreviventes.

 


Artigo 6º 

§1. Todo Membro deverá garantir igualdade de tratamento para todas as pessoas protegidas, sem discriminação alguma por motivo de cor, raça, sexo, religião, opinião pública, ascendência nacional, nacionalidade, origem étnica e social, invalidez ou idade.

§2.  As disposições no "§1" não constituirão empecilho para a adoção de medidas especiais que estejam justificadas pela situação de grupos determinados, dentro do marco dos regimes objeto do "§2 do Artigo 12", ou que estejam destinadas a satisfazer as necessidades específicas de categorias de pessoas que encontram problemas particulares no mercado de trabalho, em particular, de grupos desfavorecidos, nem para a conclusão entre os Estados de acordos bilaterais ou multilaterais relativos a benefícios de desemprego, com caráter de reciprocidade.

 

II – PROMOÇÃO DO EMPREGO PRODUTIVO

 

Artigo 7º  

Todo Membro devera formular, como objetivo prioritário, uma política destinada a promover o pleno emprego, produtivo e livremente escolhido, por todos os meios adequados, inclusive a seguridade social. Esses meios deverão incluir entre outros, os serviços do emprego e a formação e orientação profissionais.

 


Artigo 8º  

§1.  Todo Membro deverá se esforçar para adotar, com reserva da legislação e da prática nacionais, medidas especiais para fomentar possibilidades suplementares de emprego e a ajuda ao emprego, bem como para facilitar o emprego produtivo e livremente escolhido de determinadas categorias de pessoas desfavorecidas que tenham ou possam ter dificuldades para encontrar emprego duradouro, como as mulheres, os trabalhadores jovens, os deficientes físicos, os trabalhadores de idade avançada, os desempregados durante um período longo, os trabalhadores migrantes em situação regular e os trabalhadores afetados por reestruturações.

§2.  Todo Membro deverá especificar, nos relatórios que terá que apresentar em virtude do "Artigo 22' da Constituição da Organização Internacional do Trabalho, as categorias de pessoas em cujo favor se compromete a fomentar medidas de emprego.

§3.  Todo Membro deverá procurar estender progressivamente a promoção do emprego produtivo a um número maior de categorias que aquele inicialmente coberto.

 


Artigo 9º

 As medidas referidas nessa Parte deverão estar inspiradas na convenção e na Recomendação Sobre Desenvolvimento de Recursos Humanos, 1975, e na Recomendação sobre a Política do Emprego (disposições complementares) 1984.

 

III – CONTINGÊNCIAS COBERTAS

Artigo 10º

§1. As contingências cobertas deverão abranger, nas condições prescritas, o desemprego total, definido como a perda de rendimentos devido à impossibilidade de obter um emprego conveniente, levando na devida conta as disposições do "§ 2 do Artigo 21" , para uma pessoa apta para trabalhar, disponível para o trabalho e efetivamente a procura de emprego.

§2. Além disso, todo Membro deverá estender a proteção da convenção, nas condições prescritas, às seguintes contingências:

a) A perda de rendimentos devido ao desemprego parcial, definido como uma redução temporária da duração normal ou legal do trabalho;

b)  A suspensão ou redução dos rendimentos como conseqüência de uma suspensão temporária do trabalho, sem término da relação de trabalho, particularmente por motivos econômicos, tecnológicos, estruturais ou análogos.

§3. Todo Membro deverá tentar prever o pagamento de indenizações àqueles trabalhadores em tempo parcial que estejam efetivamente à procura de emprego em regime de tempo integral. O total de indenizações e dos rendimentos procedentes do seu emprego em tempo parcial poderá ser tal que os encoraje a aceitarem um emprego em regime de tempo integral.

§4. Quando estiver em vigor uma declaração formulada em virtude do "Artigo 5", poderá ser deferida a aplicação dos "§ 2 e §3".

 

IV - PESSOAS PROTEGIDAS

 

Artigo 12

 §1. As pessoas protegidas deverão abranger categorias prescritas de assalariados que representem, em total, pelo menos 85 por cento do conjunto de assalariados, incluindo os funcionários públicos e os aprendizes.

§2. Não obstante as disposições do  "§1", poderão ser excluídos da proteção os funcionários públicos cujo emprego seja garantido pela legislação nacional até a idade normal da aposentadoria.

§3. Quando estiver em vigor uma declaração formulada em virtude do "Artigo 5", as pessoas protegidas deverão abranger:

a) Categorias prescritas de assalariados.

b) Se o nível de desenvolvimento justificar especialmente, categorias prescritas de assalariados que constituam 50 por cento, pelo menos, do conjunto de assalariados que trabalham em empresas industriais que empreguem pelo menos vinte pessoas.

 

V - MÉTODOS DE PROTEÇÃO

 


Artigo 13

§1. Todo Membro poderá determinar o método ou os métodos de proteção mediante os quais se propôs a levar a efeito as disposições da convenção se tratando de regimes contributivos ou não contributivos, a não ser que seja disposto de outra maneira na presente convenção.

§2. Contudo, se a legislação de um membro der proteção a todos os residentes cujos recursos durante a contingência não ultrapassarem os limites prescritos, a proteção outorgada poder-se-á limitar em função dos recursos do beneficiário e de sua família em conformidade com as disposições do "Artigo 16".

 

VI – INDENIZAÇÕES QUE DEVEM SER ATRIBUÍDAS

 


Artigo 14

 Os benefícios abonados aos desempregados na forma de pagamentos periódicos poderão ser subordinados aos métodos de proteção.

 


Artigo 15

 Em caso de desemprego total, deverão ser abonadas indenizações na forma de pagamentos periódicos calculados de maneira a facilitar ao beneficiário uma indenização parcial e transitória por sua perda de rendimentos e ao mesmo tempo evitar efeitos dissuasivos para o trabalho e a geração de empregos.

 


Artigo 16

 Em caso de desemprego total e de suspensão de rendimentos como conseqüência de uma suspensão temporária do trabalho, sem término da relação de trabalho, se esta última contingência estiver coberta, deverão ser abonadas indenizações na forma de pagamentos periódicos calculados da seguinte forma:

a) Quando essas indenizações sejam calculadas na base de contribuições pagas pela pessoa protegida ou no seu nome, ou em função de seus rendimentos anteriores, elas serão fixadas em pelo menos 50 por cento dos rendimentos anteriores dentro do limite eventual de tetos de indenização ou de rendimentos referidos, por exemplo, ao salário de um operário qualificado ou ao salário médio de um trabalhador na região em questão.

b) Quando essas indenizações sejam calculadas independentemente das contribuições ou dos rendimentos anteriores, elas serão fixadas em 50 por cento, pelo menos, do salário mínimo legal ou do salário de um trabalhador ordinário, ou na quantia mínima indispensável para cobrir as despesas essenciais, adotando-se o valor mais elevado.

§2.Quando tiver sido formulada uma declaração em virtude do "Artigo 5", o montante das indenizações deverá ser pelo menos igual a:

a) 45 por cento dos rendimentos anteriores.

b) 45 por cento do salário mínimo legal ou do salário de um trabalhador ordinário, sendo que essa porcentagem não poderá ser inferior à quantia mínima indispensável para cobrir as despesas essenciais.

§3. Quando for apropriado, as porcentagens especificadas nos  "§1 e §2" poderão ser atingidas comparando-se os pagamentos periódicos líquidos de impostos e de contribuições com os rendimentos líquidos de impostos e de contribuições.

 


Artigo 17

 Não obstante as disposições do "Artigo 15", as indenizações pagas após o período inicial especificado no "item a" do  "§2 do Artigo 19" e as indenizações pagas por um membro cuja legislação satisfaça as condições do "§2 do Artigo 12" poderão ser fixadas levando em conta outros recursos dos quais o beneficiário e sua família possam dispor além de um limite fixado, de acordo com uma escala prescrita. Em qualquer caso, essas indenizações, em conjunto com quaisquer outros beneficiários a que possam ter direito, deverão garantir para eles condições de vida saudável e dignas, de acordo com as normas nacionais.

 

 

Artigo 18

§1. Se a legislação de um membro subordinar o direito a indenização de desemprego a um cumprimento de um período de qualificação, esses período não deverá ter a duração superior àquela que se julgar necessária para evitar abusos.

§2. Todo membro deverá adaptar esse período de qualificação às condições da atividade profissional dos trabalhadores em regime de temporada.

 

 

Artigo 19

§1. Se a legislação de um membro prever que em caso de desemprego total as indenizações só começarão a ser abonadas após a expiração de um prazo de espera, a duração desse prazo não deverá ser superior a sete dias.

§2. Quando estiver em vigor uma declaração formulada em virtude do "Artigo 5", da duração do prazo de espera não deverá ser superior a dez dias.

§3. Quando se tratar de trabalhadores por temporada o prazo de espera previsto no "§ 1" poderá ser adaptado às condições de sua atividade profissional.

 


Artigo 20

§1. As indenizações atribuídas em caso de desemprego completo e de suspensão de rendimentos como conseqüência de uma suspensão temporária de trabalho, sem término da relação de trabalho, deverão ser abonadas enquanto durarem essas contingências.

§2. Não obstante, em caso de desemprego total:

a)  A duração inicial do pagamento das indenizações previstas no "Artigo 15" poderá ficar limitada a vinte e seis semanas por cada caso de desemprego ou a trinta e nove semanas no transcurso de qualquer período de vinte e quatro meses.

b) Se o desemprego continuar após a expiração período inicial de indenização , a duração do pagamento das indenizações, calculadas, se for apropriado, em função dos recursos do beneficiário e da sua família, em conformidade com o "Artigo 16", poderá ficar limitada a um período prescrito.

§3. Se a legislação de um membro prever que a duração inicial do pagamento das indenizações previstas no "Artigo 15" seja escalonada segundo a duração do período de qualificação, a média dos períodos previstos para o pagamento das indenizações deverá chegar a, pelo menos, vinte e seis semanas.

§4. Quando estiver em vigor uma declaração formulada em virtude do "Artigo 5", a duração do pagamento das indenizações poderá ficar limitada a treze semanas durante um período de doze meses ou a uma média de treze semanas se a legislação prever que a duração inicial de um pagamento seja escalonado segundo a duração do período de qualificação.

§5. No caso previsto no "item b" do  "§2", todo mundo deverá procurar conceder aos interessados uma ajuda complementar apropriada a fim de lhes permitir encontrarem novamente um emprego produtivo e livremente escolhido, recorrendo, em particular, às medidas especificadas na "parte II".

§6. A duração do pagamento das indenizações abonadas aos trabalhadores de temporada poderá ser adaptada às condições de sua atividade profissional, sem prejuízo das disposições do "item b" do  "§2".

 


Artigo 21

 As indenizações a que tiver direito uma pessoa protegida nas contingências de desemprego total ou parcial ou de suspensão de rendimentos como conseqüência de uma suspensão temporária de trabalho, sem término de relação de trabalho, poderão ser denegadas, suprimidas, suspensas ou reduzidas, em medidas prescritas:

a) Enquanto o interessado não se encontrar no território do membro.

b) Quando, de acordo com o julgamento da autoridade competente, o interessado tiver contribuído deliberadamente para ser despedido.

c) Quando, segundo julgamento da autoridade competente, o interessado tiver abandonado voluntariamente seu emprego, sem motivo legítimo.

d) Durante um conflito trabalhista, quando o interessado tenha interrompido seu trabalho para participar dele ou quando for impedido de trabalhar como conseqüência direta de uma suspensão do trabalho devido a esse conflito.

e) Quando o interessado tenha intentado conseguir ou tiver conseguido fraudulentamente as indenizações.

f) Quando o interessado tenha desconsiderado, sem motivo legítimo, os serviços disponíveis em matéria de colocação , orientação, formação e reciclagem ou reinserção profissionais profissionais em um emprego conveniente.

g) Enquanto o interessado estiver cobrando algum outro benefício de manutenção dos rendimentos previstos pela legislação do membro em questão, com exceção de um benefício familiar, sob a condição de que a parte da indenização que for suspensa não ultrapassar o outro benefício.

 


Artigo 22

§1. As indenizações a que tiver direito uma pessoa protegida em caso de desemprego total ou parcial poderão ser denegadas, suprimidas, suspensas ou reduzidas, na medida prescrita , quando o interessado se negar a aceitar um emprego conveniente.

§2. No julgamento do caráter conveniente de um emprego será levado em conta, especialmente, em condições prescritas e na medida apropriada, a idade do desempregado, a Antigüidade na sua profissão anterior, a experiência adquirida, a duração do desemprego, a situação do mercado de emprego, as repercussões desses emprego sobre a situação pessoal e familiar do interessado e o fato do emprego estar disponível como conseqüência direta de uma suspensão do trabalho devido a um conflito trabalhista em andamento.

 

 

Artigo 23

 Quando uma pessoa protegida tiver recebido diretamente do seu empregador ou de qualquer outra fonte, em virtude da legislação ou de um convênio coletivo, uma indenização de demissão cujo principal objetivo seja contribuir para compensar a perda de rendimento sofrida no caso de desemprego total:

a) As indenizações de desemprego a que tiver direito o interessado poderão ser suspensas por um período equivalente àquele durante o qual a indenização por demissão permita compensar a perda de rendimentos sofrida.

b) A indenização de demissão poderá ser reduzida em quantia equivalente ao valor convertido em pagamento único das indenizações de desemprego a que o interessado teria direito durante um período equivalente àquele durante o qual a indenização de demissão permite compensar a perda de rendimento sofrida.Conforme cada membro escolher.

 

 


Artigo 24

§1. Todo membro cuja legislação prever o direito à assistência médica e o subordinar, direta ou indiretamente, a uma condição de atividade profissional, deverá se esforçar para garantir, em condições prescritas, a assistência médica aos beneficiários de indenizações de desemprego e aos seus dependentes.

§2.Quando estiver em vigor uma declaração feita em virtude do "Artigo 5", poderá ser deferida a aplicação do  "§1".

 


Artigo 25

§1. Todo membro deverá procurar, em condições prescritas, garantir aos beneficiários de indenizações de desemprego que sejam levados em considerações os períodos em que essas indenizações são abonadas:

a)  Para aquisição do direito e, segundo o caso, o cálculo dos benefícios de invalidez, idade avançada e de sobreviventes.

b)  Para aquisição do direito à assistência médica, aos auxílios de doenças e de maternidade, bem como aos benefícios familiares, uma vez que o desemprego terminar, quando a legislação do membro preveja esses benefícios e subordine, direta ou indiretamente, direito às mesmas a uma condição ou atividade profissional.

§2. Quando estiver em vigor uma declaração formulada em virtude do "Artigo 5", poderá ser deferida a aplicação do "§1".

 


Artigo 26

§1. Todo membro deverá assegurar a adaptação dos regimes legais de seguridade social relacionados com o exercício de uma atividade profissional às condições da atividade profissional dos trabalhadores em regime de tempo parcial cujo período de trabalho ou cujos rendimentos em condições prescritas não possam ser consideradas insignificantes.

§2. Quando estiver em vigor uma declaração formulada em virtude do "Artigo 5", poderá ser deferida a aplicação do "§1".

 

 


VII – DISPOSIÇÕES PARTICULARES PARA OS NOVOS SOLICITANTES DE EMPREGO

 

Artigo 27

§1. Os membros deverão ter em mente que existem diversas categorias de pessoas que procuram emprego às quais nunca foram reconhecidas como desempregadas ou tem deixado de sê-lo, ou que nunca tenham pertencido a regimes de indenização de desemprego ou deixado de pertencer aos mesmos. Portanto, pelo menos três das dez categorias de pessoas a procura de emprego, mostradas a seguir, deverão desfrutar de benefícios sociais, nas condições prescritas e de acordo com as mesmas:

a) Os jovens que concluíram sua formação profissional.

b) Os jovens que concluíram seus estudos.

c) Os jovens que concluíram seu serviço militar obrigatório.

d) Toda pessoa ao término de um período de dedicação à educação de um filho ou ao cuidado de um doente, um invalido ou um ancião.

e) As pessoas cujo cônjuge tiver falecido, quando tiverem direito a um benefício de sobrevivente.

f) As pessoas divorciadas ou separadas.

g) Os ex-doentes.

h) Os adultos, inclusive os inválidos, que tenha concluído um período de formação.

i)  Os trabalhadores migrantes ao voltarem a seu país de origem com reserva dos direitos que tiverem adquirido em virtude da legislação do último país onde trabalharam.

j) As pessoas que anteriormente tenham trabalhado como autônomos.

§2. Todo membro deverá especificar, nos relatórios que terá de apresentar em virtude do "Artigo 22" da Constituição da Organização Internacional do Trabalho, as categorias de pessoas relacionadas no  "§"1 que está se comprometendo a proteger.

§3. Todo membro deverá procurar receber progressivamente a proteção a um número de categorias de pessoas superior àquele que aceitou inicialmente.

 

 

VIII – GARANTIAS JURÍDICAS, ADMINISTRATIVAS E FINANCEIRAS

 


Artigo 28

§1. Todo solicitante terá direito de apresentar uma reclamação perante o organismo que administra o regime de benefícios e a interpor posteriormente um recurso perante um órgão independente em caso de denegação, supressão, supressão ou redução das indenizações ou de desacordo com relação ao seu valor. Dever-se-á informar por escrito ao solicitante sobre os procedimentos aplicáveis que deverão ser simples e rápidos.

§2. O procedimento de recurso deverá permitir ao solicitante, em conformidade com a legislação e a prática nacionais, se representado ou assessorado por uma pessoa qualificada, escolhida por ele mesmo, um delegado de uma organização representativa dos trabalhadores ou um delegado de uma organização representativa das pessoas protegidas.

 


Artigo 29

Todo membro assumirá uma responsabilidade geral pela boa administração das instituições e serviços encarregados da aplicação da Convenção.

 


Artigo 30

§1. Quando a administração for confiada a um departamento governamental responsável perante o poder legislativo, os representantes das pessoas protegidas e dos empregadores participarão da administração, em condições prescritas, com caráter consultivo.

§2. Quando a administração não tiver sido confiada a um departamento governamental responsável perante o Poder Legislativo:

a)  Os representantes das pessoas protegidas participarão da administração, ou estarão associadas a ela com caráter consultivo, nas condições prescritas;

b) A legislação nacional poderá, também, prever a participação de representantes dos empregadores;

c) A legislação poderá, também, prever a participação de representantes das autoridades públicas.

 


Artigo 31

Quando o Estado e o sistema de seguridade social conceder subvenções com a finalidade de salvaguardar empregos, os membros deverão adotar as medidas necessárias para garantir que essas subvenções sejam destinadas exclusivamente ao fim previsto, e prevenir toda fraude ou abuso por parte dos beneficiários.

 


Artigo 32

 A presente Convenção versa a Convenção sobre o Desemprego de 1984.

 


Artigo 33

 As ratificações formais da presente Convenção serão transmitidas ao Diretor- Geral da Repartição Internacional do Trabalho e por ele registradas.

 


Artigo 34

§1. A presente Convenção somente vinculará os membros da Organização Internacional do Trabalho cujas ratificações tenham sido registradas pelo Diretor-Geral.

§2. Esta Convenção entrará em vigor doze meses após o registro das ratificações de dois membros por parte do Diretor- Geral.

§3. Posteriormente, esta Convenção entrará em vigor, para cada membro, doze meses após o registro da sua ratificação.

 


Artigo 35

§1. Todo membro que tenha ratificado a presente Convenção poderá denunciá-la após a expiração de um período de dez anos contados da entrada em vigor mediante ato comunicado ao Diretor- Geral da Repartição Internacional do Trabalho e por ele registrado. A denúncia só surtirá efeito um após o registro.

§2. Todo membro que tenha ratificado a presente Convenção e não fizer uso da faculdade de denúncia prevista pelo presente Artigo dentro do prazo de um a no após a expiração do período de dez anos previsto no parágrafo procedente, ficará obrigado por novo período de dez anos e, posteriormente, poderá denunciar a presente Convenção ao expirar cada período de dez anos, nas condições previstas no presente Artigo.

 


Artigo 36

§1. O Diretor- Geral da Repartição Internacional do Trabalho notificará a todos os membros da Organização Internacional do Trabalho o registro de todas as ratificações, declarações e denúncias que lhe sejam comunicadas pelos membros da Organização.

§2. Ao notificar os membros da Organização o registro da segunda ratificação que lhe tenha sido comunicada, o Diretor- Geral chamará a atenção dos membros para a data de entrada em vigor da presente Convenção.

 


Artigo 37

 O Diretor- Geral da Repartição Internacional do Trabalho comunicará ao Secretário- Geral da Organização das Nações Unidas, para fins de registro, conforme o "Artigo 102" da Carta das Nações Unidas, as informações completas referentes a quaisquer ratificações, declarações ou atos de denúncia que tenha registrado de acordo com os Artigos anteriores.

 

 

Artigo 38

Sempre que julgar necessário, o Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho apresentará à Conferência Geral um relatório sobre a aplicação da presente Convenção e decidirá sobre a oportunidade de inscrever na agenda da Conferência a questão da sua revisão total ou parcial.

 


Artigo 39

§1. Se a Conferência adotar uma nova Convenção que revise total ou parcialmente a presente Convenção, e a menos que a nova Convenção disponha contrariamente:

a)  A ratificação por um membro, da nova Convenção revista, implicará, de pleno direito , não obstante o disposto pelo "Artigo 34", supra, a denúncia imediata da presente Convenção, desde que a nova Convenção revista tenha entrado em vigor.

b)  Apartir da entrada em vigor da nova Convenção revista, a presente Convenção deixará de estar aberta à ratificação dos membros.

§2. A presente Convenção continuará em vigor, em qualquer caso, em sua forma e teor atuais para os membros que tiverem ratificado e que não ratificarem a Convenção revista.

 

Artigo 40

 As versões inglesa e francesa da presente Convenção são igualmente autênticas.

 

Referência bibliográfica:
Süssekind, Arnaldo. Convenções da OIT, São Paulo, Editora São Paulo, 2ª edição, 1998.

 

 

 

 

 

 

 

 

Total de visitas:
4.422.268